terça-feira, 1 de dezembro de 2009

O encontro de sempre pela primeira vez.



É muito ruim se apaixonar?
Eu acho que não.
O problema é quando somos racionais demais e nossos valores entram em conflito com o que sentimos.
É impressionante como somos fortes sozinhos, e quando aquela pessoa aparece, a alma daquele ser e a nossa se reconhecem, e tudo muda, é como se tudo em nós quisesse novamente se sentir completo e funcional.
É como ter a parte que faltava de volta, aquela parte que dá sentido a busca.
E foi assim, meu coração te reconheceu e, foi exatamente como eu sabia que seria, nos reconheceríamos no instante em que nos víssemos pela primeira vez.
Reconheci as palavras e os gestos que sempre me confortaram.
A forma como me dá paz te sentir como outrora nesse fortuito momento, onde nós somos apenas nós, um primeiro encontro de duas vidas,.
É como saber que eu te encontraria no instante que te encontrei, é como ser como sempre fomos nesse nosso primeiro instante.
São tantos “és”, tudo é e, apenas é.
Aquela paz do apenas ser e se permitir ser, sem máscaras, sem valores pré-concebidos e condenatórios.
Talvez ainda seja muito cedo para dizer... Mas te amei a vida inteira.

AE.01/12/2009-RO

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Desabafo e a espera de sorte



Preciso de sorte para realizar o meu sonho.
Um pouco de sorte, um pouco de coragem.

Há em mim nesse momento foco e disciplina, mas para que haja a parte mais importante, eu preciso de sorte.
Para poder conseguir a resposta tão esperada, eu preciso de sorte.

Estou ansiosa, muito ansiosa, mas sei que isso se deve ao fato de que parte da minha conquista depende da decisão de alguém, depende de boa vontade e de sorte.

Existem momentos assim, onde precisamos de outros e também de sorte.
O que depende de mim eu posso garantir, e para o que não depende é necessário sorte.

Tantos minutos de espera, tantas vezes desejada.
Mas para aguentar esperar até que eu saiba a resposta do professor que eu quero que me oriente no mestrado em Botânica, eu preciso de um pouquinho de calma e também de sorte.

Boa Sorte! Confio em você.

AE.06/11/2009

domingo, 1 de novembro de 2009

Amo tanto você.



Amo tudo que podemos fazer juntos.
Amo todas as vezes que podemos crescer.
Amo te amar assim, porque sei que é real.

Amo a confiança que me dá.
Amo saber que te admiro da mesma forma que me admira.
Amo nossas trocas e o que acrescentamos um na vida do outro.

Amo a forma como fazemos planos.
Amo a maneira como estamos juntos.
Amo o quanto podemos construir estando assim.

Amo o futuro que terei ao seu lado.
Amo seus carinhos.
Amo o jeito que fala comigo.

Amo o que me faz sentir.
Amo poder te fazer feliz.
Amo a forma como respeitamos nossos espaços.

Amo as pequenas coisas que fazemos.
Amo os grandes significados que estas coisas possuem.
Amo quando rimos juntos.

Amo te sentir quando não te vejo.
Amo saber que é assim para você
Mas acima de tudo...

Amo saber que não preciso esperar, pois sei que somos tão parecidos, que quando nossos olhos se encontrarem nossos corações se reconhecerão.

AE.01/11/2009


A quem a alma se reconhece escrevendo, está condenado permanecer assim a vida inteira. Não dá para parar. (AE)

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Mudanças



Não tenho mais encontrado a inspiração e a vontade de escrever que antes era latente em mim. Não por um sentimento ruim ou negativo, mas sim pela quietude que há em mim agora. Sinto-me como mar em dia de calmaria ou como um lago num dia sem vento. Tenho estado assim.
As coisas que eu escrevo não fazem sentindo, não mais revelam a mim.
A paz me faz companhia e direciona o leme que rege a minha vida. Todas as mudanças dão medo, até mesmo aquelas que vão em direção aos nossos sonhos.
Quero poder compartilhar, mas acredito que momentos assim são introspectivos e dá aquela vontade de correr para dentro de nós, como fazemos com a casa quando esperamos uma visita.
Sigo, mas não me esqueço daqui, sempre há pessoas queridas que eu visito, e quando novamente eu estiver pronta e a inspiração voltar a me fazer companhia, eu voltarei, tão feliz quanto agora, quando parto para me organizar e buscar aquilo que me faz feliz.


AE.29/10/2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Senti falta



Senti falta de desabafar.
Senti falta de a alma aliviar.

Senti falta de quando tinha tempo para visitar os que me visitam.
Senti falta de poder dizer o que sinto sobre o que escrevem.

Senti falta de partilhar.
Senti falta de dedilhar.

Senti falta do meu computador que resolveu pifar.
Senti falta de ter tempo para explicar.

Senti falta de estar presente.
Senti falta de acompanhar.

Senti falta de você que vem me visitar
Senti falta de dizer obrigada por participar.

AE.26/10/2009

terça-feira, 20 de outubro de 2009



Segue as regras:

* Publicar o selo e indicar o blog que passou;
http://madamemaga.blogspot.com

*10 palavras que qualificam o seu blog;
Florido, verdadeiro,vivência, aprendizado, reflexão, felicidade, contentamento, expressão, sentimento, personalidade.

* Repassar para 10 blogs e avisá-los.
Não tenho 10 blogs para indicar, mas quero oferecer para pessoas que gosto muito.
Jester, Érica Ferro, Mariane e Lucas.

Obrigada de coração..

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Vamos as regras:

Seis características minha:
*Falante;
*Amiga;
*Sincera;
*Prestativa;
*Companheira e apesar disso tudo sinto um imenso prazer quando estou sozinha.

Blogs que eu indico:
* ..."Histórias que nos conta na cama antes da gente dormir..."
*Amores, Suspiros e divagações.
*Vida em palco.
*So what's beyond?
*Sacudindo Palavras

sábado, 10 de outubro de 2009

Mansidão


Existe momentos em que tudo fica assim. Como um lago num alvorecer ensolarado de domingo. Onde tudo é mansidão, até mesmo a brisa que vigia tudo enquanto o mundo é apenas mundo, enquanto a vida descansa e apenas é.

E eu ali, sentada no cais, observado, enquanto o que há parece dormir, onde tudo é paz, e respirar chega ser pecado diante de um momento tão sagrado, onde tudo se revela perfeito na mais pura leveza em razão de apenas ser.

AE.10/10/2009

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

A Roseira e a Formiga Cortadeira



Há no meu jardim uma linda roseira de sonhos e, talvez, seja por isso que eu a valorize tanto e cuide tão bem dela. Mas ela nem sempre foi assim.
Ela já passou por um inverno tão rigoroso que fez com que suas folhas caíssem e seus galhos, de tão fracos, quebrassem. Nesse momento ela nada mais era do que a parte vegetativa de suas lembranças, lembranças de outras estações, de quando brotava, florescia, frutificava e havia companhia em seus dias.
Como tudo na vida esse inverno passou, mas por ter durado muito tempo, fez com que ela se acostumasse a ser sozinha e não mais acreditar em suas lembranças e sonhos, que um dia foram reais.
Quando novamente pôde sentir o calor do sol, ela sentia medo e, por isso, nunca mais floresceu e nem sequer produziu mais ramos vistosos e fortes.
Ela sabia de sua capacidade, mas temia sofrer novamente e, por muito tempo, as primaveras foram apenas mais uma entre as outras estações do ano.
Não havia nela mais motivos para acreditar, e os dias se passavam sem que houvesse coragem para voltar a sonhar e, novamente, pudesse brotar e florir.
Com o passar do tempo, ela percebeu que, mesmo sendo como era, houve algumas formigas que retornaram, e isso fez com que ela se sentisse parte integrante da vida mais uma vez, despertando assim, vontade de ser melhor para poder revelar todo seu potencial e pudesse se sentir completa.
As lembranças de primaveras floridas fizeram com que ela florescesse de novo, mostrando o que de melhor ela possuía. Foi a mais linda florada que eu já vi. Seus ramos eram vistosos e fortes, suas folhas de um verde vivo e suas flores... Ah! Suas flores refletiam o sol em luz e ela não cabia em si de tanto contentamento. Ela realmente acreditava que os tempos eram outros e que não havia mais motivos para temer.
Certo dia, sem que ela menos esperasse, as formigas fizeram dos seus sonhos, que cresceram com seus ramos, folhas e flores, pedaços. Ela não podia acreditar que aquelas formigas, que pareciam ser tão confiáveis, estivessem fazendo aquilo com o que de melhor brotara dela, com aquilo que retornara depois que elas apareceram, a capacidade de sonhar. A decepção foi tão grande que a dor emocional transpassava a física.
As formigas se foram, deixando seus sonhos em pedaços.
Levou um tempo para que ela superasse mais esse descontento e pudesse florir, para que assim seguisse sua vida.
Toda vez que ela estava bem e florida, as formigas voltavam e, ela sempre, mesmo que intimamente, não acreditava que seriam capazes de outra monstruosidade. E mais uma vez ela sentiu a decepção, e viu seus sonhos serem feitos em pedaços e carregados para longe pelas formigas.
E assim fizeram de tempo em tempo.
Hoje a minha roseira se fortaleceu, não apenas fisicamente, mas, o mais importante, emocionalmente. Ela aprendeu que até as formigas, que se mostram mais confiáveis podem fazê-la sofrer. E sempre que elas retornavam, a roseira entendia que cortar e despedaçar fazia parte da natureza das formigas e, com o tempo, ela concluiu que isso era parte de um ciclo e, assim, decidiu que o que marcaria o início de um novo período não seria a perda de seus sonhos e, sim, os ramos, folhas e flores novas que trariam mais um recomeço, significando que havia novos sonhos para serem realizados.
.
AE.20/09/2009-

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Fotografia


(Foto: A. E. Castro)

Hoje resolvi treinar meus dotes com fotografia, se é que tenho algum. Mas seja como for, o resultado está logo acima.
Gosto de fotos assim como gosto de flores e escrever, porém preciso melhorar sempre, pois não é porque gostamos que faremos bem feito. Vou continuar me esforçando, pois isso me traz felicidade e faz com que minha vida tenha o seu brilho renovado.
Pra mim fotos não são só uma imagem, eternizam o momento e revelam além, não é uma simples flor na calçada, sou eu feliz em poder admirar a beleza que tudo isso é por si só.
Descobri muitas coisas hoje, e entre elas está o fato de que se o sol estiver na mesma direção de onde vem o vento, isso não ajuda, pra ser sincera atrapalha muito. Mas sobretudo redescobri que é muito gratificante, e até divertido, quando nos dispomos e queremos ver as maravilhas que nos cercam.
Fantasioso?
Não sei, apenas sei que elas estavam lá e continuam para quem quiser admirar.
Muitas pessoas me olhavam, passavam a pé ou em seus carros. Alguns olhavam como se vissem uma coisa de outro mundo, outros tão perdidos na sua realidade, que acho que nem me notaram ali. Mas nem por um momento me incomodei com que o poderiam pensar de alguém com uma câmera na mão no meio da rua fotografando flores. Não me importo, pois elas jamais saberão o quanto eu estava feliz naquele momento: fotografia, flores e eu.
Tenho o hábito, bom ou mal, de ser muito intensa, tudo é tão muito mesmo sendo pouco, apenas me policio para que isso ocorra mais facilmente com as coisas boas, as más não merecem intensidade, pelo contrário, talvez mereçam, a intensidade para guardar o aprendizado que elas revelam e esquecê-las.
Sei que hoje em dia o tempo é algo raro, e talvez isso tenha um lado bom, já que tudo que acreditamos ser pouco é mais valorizado. Por isso o nosso tempo tem que ser gasto com coisas, pessoas e situações que valem a pena, que nos fazem feliz. E talvez seja por isso que eu tenho percebido que vir a pé da academia tem se revelando uma experiência muito gratificante.

AE.16/09/2009




(Fotos: A. E. Castro)

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Chuva, música e eu.



Estava na academia cuidando do meu pequenino coração. Quando saí coloquei o fone pra ouvir Ira-Blue Label no mp4 e segui pra casa.
No meio do caminho, alguns pingos tímidos de chuva começaram a cair, e eu ali, naquele misto de insegurança e vontade.
Sou apaixonada por chuva, tudo é lavado numa doce e calmante sinfonia. Mas naquele momento havia coisas que não podiam molhar.
Aos poucos fui me deixando levar pela sensação boa da água tocando em mim, e quando percebi já estava envolvida e molhada. Nesse momento ouvia a música "Tudo em Mim".
Comecei a olhar ao meu redor como se o mundo tivesse parado, como se nada existisse além da chuva, a música e eu.
Tudo estava sendo lavado naquele momento, inclusive a minha alma que agora se prepara para a chegada da primavera.
Algumas flores tímidas já se anteciparam a estação e tudo agora tem novo ar, nova cor e novas sensações.
E eu estava ali em meio a tudo aquilo, numa sensação de entorpecimento, e pude ver que o brilho antes procurado, o sentido outrora desejado, estavam ali, em tudo que eu via.
Naquele momento eu não precisava de mais nada, era como se eu estivesse absorta de qualquer outro acontecimento.
Manhã maravilhosa que eu tive hoje: brilho, felicidade e alma lavada.
Espero que eu não fique gripada, mas seja como for valeu a pena.

AE.09/09/2009

sábado, 5 de setembro de 2009

Primaveril



Enfim é chegada a época de florir.
Sinto os meus botões se aquecendo pela luz do sol.
Sinto as energias voltarem e a esperança renascer.

A estação mais esperada, onde tudo está mais claro e perfumado.
E neste momento, sinto vontade de revelar o que há de melhor em mim.

A natureza não condena a vida a uma única estação, ela renova e ressignifica tudo, revelando o melhor do que passou.

Dentro de mim está a vida.
Dentro de mim está o belo.

Hoje flores desabrocham revelando cores e trazendo mais vida aos dias frios que pertenceram ao inverno.

É chegada uma estação que aquece a alma.

Hoje posso sentir o vento tocar minha pele, da mesma forma que o vejo acarinhar as pétalas de uma flor, que traz consigo o resultado do seu trajeto, revelando o que faz tudo valer a pena.

Sinto-me melhor agora, posso ver o céu azul e limpo, tudo tão mais leve e iluminado.

Hoje mais uma vez recorro às flores, pois somente elas são capazes de me fazer entender coisas que não precisam ser ditas, só elas tem o poder de me ensinar que por mais estações que possam ter uma vida, a primavera sempre chegará para que tudo seja e cheire melhor e eu perceba a vida mais bonita.

Na primavera me sinto assim, como se tudo de bom que há em mim, estivesse agora florescendo, junto com todas as outras flores.
E é aqui que eu percebo o que a vida é capaz de revelar:
O recomeço.

AE.05/09/2009

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Pra não falar de amor



Às vezes penso em como a minha vida é tão boa e ainda sim, em muitos momentos me sinto insatisfeita e com uma saudade não sei do que.
Perco muito tempo do meu dia pensando no que pode estar errado e não consigo encontrar, parece mesmo é que falta um pedaço de mim.
Será que é pela pessoa que irá me completar?
Não acredito muito em alma gêmea, mas sei também que ninguém nasceu para ser sozinho, não dá para dividir sozinho, trocar sozinho e compartilhar sozinho.
Por muito tempo me dediquei a me encontrar, a me conhecer e agora, não sei.
Sinto-me sozinha, com algo de bom, e sem ter a quem mostrar.
Será que a culpa é somente minha por não saber reconhecer, aproveitar e entender?
Ou a culpa é do outro por não se fazer perceber e compreender?
Hoje desperdiço flores para ilustrar o que eu não sei.
Hoje desperdiço flores com coisas desconexas e complexas.
Talvez fosse mais fácil ir levando e fingindo que não sinto, fingindo que não vejo.
Mas o que eu apenas sei, é que não é fácil sofrer tanto com medo de sofrer.

AE.01/09/2009

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Dor



Existem momentos em que, por mais que tentamos e queiramos, somos incapazes de definir o que sentimos.
E nesses momentos, nos resta apenas sentir a dor que nos aflige a alma.

AE.31/08/2009

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Poema



O que te faz feliz?
O que faz seus olhos brilharem?

O que te faz ganhar o dia?
O que te emociona?

O que faz o tempo passar sem você notar?
O que faz sua vida valer a pena?

O que faz o seu coração aquecer?
O que te dá motivação?

O que mexe com seus sentidos?
O que te faz perder o fôlego?

O que você valoriza?
O que toma seus pensamentos?

O que dá vontade de acolher?
O que é involuntário?

O que você não resiste?
O que te faz sonhar?

A poesia está na resposta a essas perguntas.
E para mim em algumas delas bastariam uma única palavra:
Flores.

AE.28/08/2009

sábado, 22 de agosto de 2009

Aqui



Você está nos meus sonhos.
E na vontade que faz com que eu queira ser melhor.
Está no que eu desejo com força.

Você está em mim
Nos meus desejos.
E no meu passado.

Você está numa rosa.
E em um trigo.

Você está num passeio pela avenida.
Num livro de receitas.
E em poças d’água.

Você está em risadas nervosas.
Num abraço.
E no tempo que parou.

Você está nas minhas fugas mentais durante o dia.
Quando eu acordo.
E quando eu vou dormir.

Você está no meu computador.
No que eu escrevo.
E nas coisas que eu quero e busco para mim.

Você está quando algo de bom acontece.
Numa alegria que eu quero contar.
E em uma tristeza que eu preciso compartilhar.

Você está sempre aqui, desde o primeiro dia, num conto-de-fadas que eu criei para o meu mundo.

AE.21/08/2009

sexta-feira, 21 de agosto de 2009


Meu primeiro selo...

E fico muito feliz de tê-lo ganhado de uma pessoa que embora não conheça, admiro muito o que escreve.
Obrigada Mari, de coração.
.
REGRAS

Linkar o blog que me passou o selinho:
Uma música: Kiss me (The Cardigans)
Um filme: Letra e Música
Um livro: A fórmula de Deus (José Rodrigues dos Santos)
.
Eu indico:
Jester, Jaya e Eve, pois embora eu tenha o blog há mais de um ano, foi só agora que resolvi me aventurar por esse mundo. E além do da Mari, estes são os que eu mais visito e gosto bastante.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Recomeço



Quero tirar essa má impressão.
Quero começar de novo.
Quero seguir daqui.

Quero falar de coisas boas.
Quero contemplar o que é simples.
Quero ser feliz.

Quero ter tempo para meus amigos.
Quero ter tempo para aqueles que eu quase nunca falo.
Quero trocar.

Quero viver bem.
Quero viver leve.
Quero viver em paz.

Quero me dedicar.
Quero ser alegria na vida de alguém.
Quero fazer sorrir.

Quero tratar bem.
Quero ser gentil.
Quero acolher.

Quero acreditar.
Quero poder.
Quero conseguir.

Quero e quase já posso.

Tudo isso é tão bom, que só de pensar faz com que a vida fique melhor.

AE.19/08/2009

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Chega de brincar



É hora de atitude, bola pra frente, dar a cara à tapa, pagar pra ver, falar o que se quer, e de ouvir o que deve e não se deve.

Cansei...
Cansei de coisas mornas que tendem a esfriar, cansei de coisas quentes que só fazem queimar, cansei dos gelos que petrificam e nada dizem a não ser o que refletem os pensamentos.

Te dei o melhor de mim, talvez de maneira torta ou mal compreendida por você. Mas o meu coração estava lá.

Cansei de brincar de gato e rato, de ter que esperar, de ter que me conformar com o que é mais ou menos, do que está nas entrelinhas, do que dá a entender.

Quero o que busco, quero o que eu mereço, quero certezas.
Quero parceria, companheirismo e lirismo.
Quero os pés no chão, mesmo com planos e sonhos para realizar.

Quero mais.
Quero a força do concreto, a segurança de um forte.
O amor real, verdadeiro e singular.

Cansei de flores e matemática serem usados como metáforas.
Quero agora sensações e química.
Quero viver.
Quero realizar o que outrora tanto foi sonhado.

Quero vencer a geografia, quero planos e certezas, quero que seja real.
Quero saber como é, conhecer o que desconheço.
Quero gosto na boca e textura no toque.
Quero constância, quero contato.
Quero tudo que eu mereço, quero o que sonho e preciso.

Porque para mim não é apenas uma questão de fazer conta de coisas abstratas, coisas que não possuem nada de real e material que as justifiquem.
Coisas significativas são mais, não são comuns, nem mesmo banais.

Apenas Cansei!
Cansei por julgar que não é demais querer ter mais.

Aja!

AE.12/08/2009-

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Eu! Um copo d’ água.



Sabe aqueles dias em que tudo parece estar cinza?
Hoje o dia está assim para mim.

Toda minha vida resolveu pesar sobre as minhas costas, juntamente com algumas verdades banais que querem me sufocar.

Sinto falta de pessoas.
Sinto falta de todas que já passaram pela minha vida.
Sinto falta de quem está comigo, sinto falta até de mim.

Todas as angústias e decepções se fazem presentes.
Todos os complexos e palavras mal ditas agora têm um peso maior.

O corpo dói e a alma chora.

Um choro doído e de lamento, que me remete à algum lugar da minha vida onde as coisas não são assim, onde haja um pouquinho mais de cor.


Talvez esse lugar se encontre no presente, talvez no futuro ou nem mesmo exista.


Talvez tudo isso seja coisa da minha cabeça: insensata, imatura e perdida.


Qual será a realidade?

Onde estará a felicidade, a paz e a completude?
Sinto-me vazia, incompleta, estéril e avulsa.

Vez ou outra me sinto assim, e quase por um momento me confundo, questionando se tudo isso que é o real, se tudo isso é o que permanecerá.


Hoje eu apenas sei que as coisas pesam, perdem a cor e se re-significam dentro de mim.

Talvez as situações e sentimentos mudem, talvez nada mude e eu continue ser apenas eu.


Eu?

Quem sou eu?
Qual roteiro seguir?

Por que agora estas coisas agoniam tanto e atormentam ainda mais?

Por que justamente agora, quando tudo se revela cinza e frio?

Onde está a luz que revela o que há além?

Onde está o brilho que manifesta a cor?

Quando tudo está assim nem faz sentido e nem importa saber.
Sempre temos muitas perguntas que não exigem nenhuma resposta.

Nestes dias me sinto assim, como um copo que tomba com o vento e fica ali, com a água espalhada pelo chão, sentindo o vento a evaporar, para que as coisas possam novamente voltar a sua "normalidade".


Hoje é um dia assim, de falar de coisas assim: frias, cinzas e transitórias.


AE.05/08/2009-AE

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Tanto aqui quanto lá...



Tanto aqui quanto lá alguém se lembra ao acordar;
Tão aqui quanto lá alguém pensa antes de dormir;
Tanto aqui quanto lá há lembranças que fazem companhia durante o dia e a todo momento;
Tanto aqui quanto lá o coração dói;
Tanto aqui quanto lá a tristeza invade fazendo com que apenas se sinta o que é permitido;
Tanto aqui quanto lá algumas coisas não se revelam;
Tanto aqui quanto lá é preciso aceitar o que se desconhece;
Tanto aqui quanto lá estão os pensamentos;
Tanto aqui quanto lá alguém está cansado;
Tanto aqui quanto lá falta paciência;
Tanto aqui quanto lá é preciso ter serenidade;
Tanto aqui quanto lá está a presença;
Tanto aqui quanto lá há alguém que chora;
Tanto aqui quanto lá há alguém que sente saudades;
Tanto aqui quanto lá há alguém que precisa ser feliz;
Tanto aqui quanto lá alguém sabe que vai passar;
Tanto aqui quanto lá o que for verdadeiro persistirá.

AE.30/07/2009-RA

Flor, Amizade e Águia



Há dias eu penso no que escrever sobre você, e no que escrever para você.
Quase sempre o que aparece não são pensamentos e sim sentimentos.

Então parei, prestei atenção e resolvi escrever sobre o que eu sinto.


Sinto uma alegria enorme ao saber que alguém está realizando um sonho, especialmente alguém assim como você, minha amiga, que viveu comigo em boa parte dos últimos tempos.

Sinto alguém que está certa da escolha que fez, mas acima de tudo confiante com a decisão tomada.

Sinto a leveza e a felicidade de um início, não de mais um reinício na vida, e sim de algo novo, uma vida nova desde o começo.

Sempre tive para mim que toda relação, incluindo a amizade, está baseada em trocas. E por mais que seja normal ocorrer alguns desacordos que talvez tenham ocorrido, as trocas são ainda maiores, em proporção e em quantidade.
Mostrando assim que não há como exigir da vida amizades perfeitas, e sim ter a certeza de que não há valor maior do que superar os percalços a fim de crescer e amadurecer.

Falo sobre amizade, pois é isso que vai ficar sempre e para sempre, lembra? Não é plágio não.
Me sinto muito feliz de ter você como amiga e partilhar de mais uma etapa de sua vida, da mesma forma que participa da minha. Quero que saiba que seja como e onde for, estarei sempre presente.

Quero lhe dizer também sobre o que eu não sinto – não sinto a partida e não sinto tristeza, mas desde já, eu sinto saudade.

E para você, quero falar também de algo belo e significativo, falar do que expressa e do que preserva.
Vou lhe falar de FLORES.

Certa vez você me disse que eu saberia a que flor associar a você, e depois de escrever tudo isso me vem a mente uma Utricularia - nome estranho e pouco conhecido, que revela uma planta de pequeno porte com hábitos carnívoros, que eu associo à você em determinação e força.

Uma planta pequenina que na época de florescer nos revela todo seu esplendor – suas flores não ficam submersas, elas desabrocham acima da lâmina d’ água, revelando toda beleza e grandiosidade no seu amarelar de luz.

E aqui me lembro de uma frase que você me disse um dia: “Águia não nasceu para ciscar em terreiro”, e hoje vejo em você a águia, que voa cada vez mais alto em busca da realização dos seus sonhos.

Para uma grande pessoa que em todos os momentos: sejam eles bons ou não, decisivos ou descontraídos, sempre se fez presente me ajudando com suas palavras e lições, se tornando a grande amiga que é para mim.

Não quero que nem por um minuto que se sinta triste, sei que a despedida não é fácil, mas sonhos realizados têm um sabor tão recompensante quando os estamos realizando.

Força, Fé e Serenidade.

AE.28/07/2009-AP

domingo, 26 de julho de 2009

Contos



Os dias por aqui estão congelantes. Eu faria de tudo pra poder juntar as malas nesse final de ano e ir.
Voltei a uma fase ruim do relacionamento, infelizmente descobri que está no meu subconsciente uma concepção de que o homem da casa deveria fazer de tudo para a felicidade de sua mulher, como nos contos de princesas. Por mais realista que sou, estou sempre esperando algo dele, e estou sempre me frustrando. No mundo em que vivemos isso não existe, tenho que depender só de mim e mais ninguém.
Sonho com uma vida livre, pois me sinto presa.


Essa semana me aconteceram muitas coisas inclusive pensamentos sobre a forma como levo a minha vida. Analisei tudo muito atentamente e me lembrei de um medo que eu tenho: apenas passar pela vida sem vivê-la, sei que isso parece filosófico com toque depressivo, mas não foi assim que eu me vi, e menos ainda, acho que foi só um momento de reflexão, um balanço.
E pude perceber que mesmo que a minha vida não seja perfeita, ela é resultado das minhas escolhas, valores e por vezes minhas fraquezas.
Sei que é muito mais fácil escolher quando nossas decisões afetam apenas a nós mesmos, porém mesmo quando não somos o único alvo, as decisões precisam ser tomadas, e o que nos levará a decidir ainda aqui, são nossos valores e necessidades, devendo haver algo muito importante que chamamos de ponderação. Os envolvidos devem manifestar o seu ponto de vista e em algumas vezes saber ceder.
Não acho que todas as nossas vontades devem ser satisfeitas, mas também não ter nenhuma delas atendida nos faz mal e infeliz.
Não acho errado vivermos esperando coisas das pessoas que amamos, afinal, um relacionamento deve ser baseado em trocas, pois todos nós, sem exceção temos sonhos, e se estamos com alguém esse sonho deve ser "nosso", porém moldado à necessidade dos dois.
Já passei por muitos períodos de descrença. Hoje me vejo trabalhando mais a aceitação do que a negação.
Nesse mundo existem muitas coisas, boas e más, a diferença está no que permitimos que fique e no que fazemos com o que não fica.
Acredito que exista sim, contos de princesas, não de uma maneira literária, e sim humana. Cada uma de nossas vidas é um conto, a minha, a sua... E somos nós que decidimos o que valerá a pena escrever ou não. Há momentos de clímax, de tensão, de emoção e de decisão...
O problema é que nos nossos contos não dá para apagar, rascunhar ou inventar, temos que ter muito cuidado ao escrever, temos que saber quais serão as pessoas e as peças fundamentais.
Aqui, como nos contos de princesas há um início (ERA UMA VEZ...) e um fim, e todos nós esperamos que no nosso conto haja um FELIZES PARA SEMPRE.

Confio em você e desejo que tenha serenidade para continuar escrevendo o seu.

AE.25/07/2009-SA

terça-feira, 21 de julho de 2009

Substancial



Olho para você e consigo perceber a magnitude e a perfeição dos seus traços.
Sinto em você a complexidade de sua efêmera existência e a importância vital do seu desabrochar.
Tudo em você me revela vida e transformação.
Algo que desabrocha para que um outro se forme, e assim se consiga um ciclo perfeito: Nascer, transformar, dar vida e fenecer.
Tudo isso em um curto espaço de tempo, e nesse único momento se pode ser o que há de melhor em sua capacidade de florear.
Está tudo aqui, basta olhar e saber sentir.
Basta contemplar e deixar-se tomar por tão bela e peculiar expressão do transitório, que se dedica apenas em ser, em transmitir, e em realizar aquilo que emana de suas origens, apenas aquilo que clamam para que seja.
Flores!
Para alguns, apenas partes coloridas de um vegetal, para outros a transmissão maior da perfeição momentânea daquilo que chamamos de vida, onde tantos tentam ter, e percebemos aqui o que está na sublime razão de ser.

AE-20/07/2009-AE

Sentimentos, Flores e Revelações



Estou aqui no meu quarto e me reservo apenas à condição de sentir.
Sentir o que a alma permite e o corpo anseia.
Sentir os movimentos e a respiração causada por conflitos que pulsam em mim.

Sentimentos diferentes que se misturam e me confundem.
Sentimentos incapazes e inertes.

Apenas eles revelam o que há dentro, o que transparece e traz a tona.

Sentimentos que espreitam, esperando a derradeira chance.
Esperando por um único momento de poderem se tornar reais.

Por que tudo tem dois lados?
Por que aqui se encontram emocional e racional?

As flores apenas são, são o que são em sua resignação.
São o que podem ser, são sempre a inspiração.

Inspiração vem de dentro trazendo consigo a vontade.
Vontade de esmiuçar o que me move e o que é vital para mim.

Existem buscas sem respostas e respostas demais para buscas de menos.

Por que tudo se torna variável e confuso?
Por que nem sempre o que parece ser, é o que é?

Por trás de tudo há um outro tudo, sutil e peculiar a cada pessoa, situação e sentimento.

Percebo-me aqui escrevendo coisas desconexas, porém reveladoras.
Embora não transmitam a veracidade das respostas, revelam as incertezas das perguntas.

AE.20/07/2009-AE

Ah, o amor!



O que isso significa?
Um sentimento, uma busca ou um descontento?

Pessoas passam a vida inteira a procurar, a esperar...

Muitas nunca encontraram ou irão encontrar.

Por que há algo tão vital no amor que nos sucumbe a alma?
Por que um sentimento por vezes tão efêmero tem o poder de nos trazer a cura ou de nos trazer a dor?

Algumas vezes parece doença, nos contamina.
E em outras nos revela a salvação e o sentido da vida.

Há em nós a necessidade de ter algo que nem sempre sabemos reconhecer e nem valorizar.
Por vezes os dispostos a nos amar não nos enchem os olhos e em outras, sofremos por não cativar alguém que nos é especial.

Um sentimento tão rico e nobre, que muitas vezes esconde o verdadeiro rótulo, esconde o significado de outras palavras e de outras condutas.

Mas há aquelas pessoas de coração puro e sentimentos nobres, que reconhecem e tem a sorte ou sabedoria de poder viver um amor para toda vida.

AE-20/07/2009-CA

domingo, 12 de julho de 2009

Sonho e realidade


Um dia acordei depois de um sonho que eu tive. Tinha conversado com alguém que me completava, e fiquei ali curtindo aquele sentimento bom e a sensação de ainda estar sonhando.

Quando levantei, senti que pisava em folhas de papel e as peguei para ler. Percebi que era a conversa que eu havia guardado para não me esquecer de palavras tão lindas... Nunca havia sentido algo assim, tão forte e instantaneamente.

Esse sonho se repetiu muitas vezes naquele mês e o sentimento aumentava, parecia que não era coisa nova e sim um reencontro, e o que já era forte continuou a crescer.

O medo me fazia companhia, mas ao mesmo tempo me era passada tanta confiança que já não havia mais forças em mim capazes de me fazer resistir ao que eu sentia.
.

Haviam sonhos que pareciam realizáveis e que eu queria muito que assim fosse.

Com o passar do tempo as coisas se tornaram inconstantes, havia dores, compromissos e pessoas... E o sentimento inicial não diminuía, apenas sofria.

Movida pelo inicio tentei muitas vezes, e em algumas vezes encontrei silêncios dolorosos e profundos, que até hoje doem em minha alma.

Houve um período de revelação e encontro, a revelação foi difícil e o encontro surreal. Isso me confundia ainda mais, pois algumas situações e palavras não condiziam com a realidade.

Mais um período de espera se fez necessário e aqui a partida...

Sofri até que eu fosse capaz de voltar a respirar sem que houvesse dor.
.
E por julgar estar bem num momento de saudade procurei e encontrei o que eu não havia perdido.
.
Vi coisas que eu não queria e nem esperava ver que fizeram com que eu sofresse ainda mais, uma dor tão aguda que tornou-me incapaz de compartilhar com quem quer que fosse, por não acreditar naquilo que meus olhos viam. Deixei um bilhete e parti.

Nessa época havia lembranças de sonhos e pesadelos até que eu me acostumasse e pudesse aceitar o que eu já sabia, e que só agora eu pude ver.

Houve novamente um aparecimento, talvez uma tentativa, mas meu coração já calejado lembrou dos sonhos despedaçados e por mais que eu quisesse não conseguia acreditar, e então novamente parti.
 
Ainda dessa vez não foi e nem tem sido fácil. Cada reaproximação traz consigo as lembranças e os sentimentos cativados.
.
É como se abríssemos o armário, e na tentativa de reorganizar as coisas jogássemos tudo no chão para enfim reestruturar. Mas talvez essa não seja a melhor maneira para fazer as coisas, talvez, esta seja a forma mais difícil.

Então peguei todas as minhas coisas que estavam pelo chão e guardei rapidamente com medo de sofrer de novo. Mas ainda não tem sido eficiente, pois as coisas continuam desorganizadas dentro do meu armário. E doído saber que nada pode ser feito até que eu seja capaz de organizá-lo novamente.

E então percebi que não era um sonho, apenas uma realidade comum de tantos enganos que a vida pode nos oferecer.



AE.12/07/2009-RA

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Mágico

 
Mágico é o que torna o dia mais lindo ao contemplar uma flor.
E perceber em coisas simples a pureza e a força.

Mágico é o que faz o coração se aquecer ao ouvir aquela voz.
É quando um dos nossos sentidos nos revela quem amamos.

Mágico é o que faz com que vejamos as coisas de uma maneira mais leve.
É saber que há um sutil mistério em tudo que existe.

Mágico é querer ser melhor a cada dia.
É aproveitar o que a vida te dá.

Mágico é o que transmite o sorriso de uma criança.
É ser feliz por coisas simples.

Mágico é a paz de ter um amigo.
É a leveza de algo compartilhado.

Mágico é sorrir entre lágrimas.
E sentirmos a felicidade mexer com a alma.

Mágico é ser sereno na dor.
E desejar o bem próprio e o do próximo.

Mágico é sentir o vento mesmo sem vê-lo.
É continuar a acreditar quando tudo parece perdido.

Mágico é rir até perder o fôlego.
E sentir o que a alegria é capaz de fazer conosco.

Mágico é se sentir vivo.
E poder contemplar tudo que está ao nosso redor.

Mágico é poder saber que somos tudo o que lutamos e nos é permitido ser.


Mágico é ter quem temos e saber que até os que partiram de certa forma continuam aqui, em nossos corações.

Mágico é poder escrever para aliviar a alma.

AE.03/07/09-AE

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Finito

Existem pessoas e situações que acontecem e passam em nossa vida.


Há quem acredite que as pessoas ficam conosco só o tempo necessário para cumprirem o que foi determinado. E se assim for, elas poderiam partir também com aquilo que cativaram em nós.
.
Certas pessoas entram em nossa vida com sonhos por terminar, e por um momento querem terminá-los conosco. Mas no meio do caminho, a pessoa que plantou os sonhos nesse alguém volta e nós ficamos com a ilusão de sonhos que nem sequer foram nossos.

Não raras são as vezes que estas pessoas saem da nossa vida para acontecerem e cativarem na vida de outra pessoa. Talvez até de alguém que agora retorna, uma pessoa que sempre fora amada. E nesse momento precisamos entender e deixar que as coisas se cumpram, e nos resta torcer, torcer para que todos nós sejamos felizes, cada um a sua maneira.
.
Talvez estas pessoas entrem mesmo em nossa vida com algum objetivo, sejam eles conscientes ou inconscientes, alguns motivos conseguimos saber, outros nunca saberemos, nem que se passe uma vida inteira.
Alguns desses motivos nos fazem felizes, outros nos fazem sofrer e, ainda existem aqueles que marcam uma alma, e deixam nela buracos, buracos de sonhos plantados e não cultivados, frutos daqueles motivos que nunca nos serão revelados.
Nesse momento vemos que alguém conseguiu realizar seus sonhos, e que nos resta a serenidade de saber que muitas coisas são finitas e por mais que doa é preciso buscar outros sonhos para realizar.

AE.01/06/2009-RA

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Você me faz tão bem



Me faz tão bem conversar com você;
Me faz tão bem a forma como se expressa;
Me faz tão bem a grandeza de sua alma;
Me faz tão bem seu otimismo.

Me faz tão bem sua inocência e pureza;
Me faz tão bem a forma como se preocupa comigo.

Me faz tão bem a maneira como demonstra querer meu bem;
Me faz tão bem te querer na minha vida;
Me faz tão bem ter você em minha vida.

Me faz tão bem saber que está comigo;
Me faz tão bem as coisas que você desperta em mim.

Mas acima de tudo me faz bem saber que tudo em você é assim, que tudo isso de bom que tem é seu, e que está aí para que o que me faz de bem, não seja apenas meu, mas seu também.

AE.01/04/2009-RF

quarta-feira, 25 de março de 2009


Till We Ain't Strangers Anymore
(Jon Bon Jovi, Richie Sambora e Brett James)




It might be hard to be lovers,
but it's harder to be friends
Baby pull down the covers,
it's time you let me in
Maybe light a couple candles,
I'll just go ahead and lock the door
If you just talk to me baby,
till we ain't strangers anymore.

Lay your head on my pillow,
I sit beside you on the bed
Don't you think it's time we say
some things we haven't said
Ain't too late to get back to that place
Back to the way we thought it was before
Why don't you look at me here,
till we ain't strangers anymore.

Sometimes it's hard to love me,
sometimes it's hard to love you too
I know it's hard believin,
that love can pull us through
It would be so easy,
to live your life with one foot out the door
Just hold me baby,
till we ain't strangers anymore.

It's hard to find forgivness
When we just run out of lies
It's hard to say you're sorry
When you can't tell wrong from right
It would be so easy
To spend your whole damn life
Just keeping score
So let's get down to it baby
There ain't no need to lie
Tell me who you think you see
When you look into my eyes
Let's put our two hearts back together
And we'll leave the broken pieces on the floor
Make love with me baby
Till we ain't strangers anymore.

We're not strangers anymore
We're not strangers
We're not strangers anymore


AE.25/03/2009

domingo, 8 de março de 2009

Falar


O simples de mim é falar.
Falar para ajudar,
Falar para curar,
Falar para entender,
Falar para partilhar, acompanhar, fazer rir e compreender.

Sou palavras.
Palavras que vem de dentro e buscam se tornar concretas.
Com o único propósito de ser feliz e fazer feliz quem me cerca e quem eu amo.

Achou que sou assim.
Palavras ingênuas muitas vezes,
Palavras altas e ásperas em tantas outras.

Mas de onde emanam essas palavras é pequeno, é criança, é algo que não conhece o impossível, pois sabe e sente que precisa continuar do jeito que pode, da maneira que dá.

Palavras que buscam outras que as completem.
Buscam palavras simples.
Para que nessa simplicidade se possa ser feliz,
Não com muito ou pouco, simplesmente com o essencial.

AE.13/01/09-RA

sexta-feira, 6 de março de 2009

Believe


Por muito tempo em minha vida esperei encontrar alguém que completasse as coisas que eu escrevo, alguém que me fizesse rir com coisas inteligentes, que me surpreendesse com atitudes simples e triviais, alguém que se preocupasse com o que eu não digo, para que o mais importante e essencial fosse sentido.

Alguém que me fizesse chorar com alma de emoção.

Por muito tempo quis alguém que pudesse estar ali, que quisesse e buscasse as mesmas coisas que eu, e acima de tudo estivesse afim e disposto a enfrentar tudo que fosse preciso para que pudéssemos realizar os nossos sonhos.

Alguém que me fizesse sonhar e que acima de tudo me ajudasse a realizar.

Por muito tempo desejei alguém que me tocasse sem ao menos estar perto, alguém que me fizesse acreditar que o gelo que me paralisava não existia, e sim a armadura que eu me permitir vestir que me bloqueava e fazia com que tudo que fosse externo a mim se tornasse motivo de dúvida e desconfiança.

Alguém que me fizesse conhecer o que eu tanto temo.

Por muito tempo sonhei com alguém que fosse capaz de me fazer acreditar que o amor não faz doer e sim é reconfortante e capaz de fazer feliz ao saber que há alguém por você que o ama e está ali pelo simples fato de admirar você por tudo que é, e não apenas pelas coisas boas que é capaz de enxergar.

Alguém que se complete em mim.

Há algum tempo percebi que posso sofrer muito até encontrar alguém assim e então tornei a guardar todos meus sonhos em uma caixa na última prateleira da minha estante, e quem sabe, talvez um dia eu encontre alguém que seja capaz de me fazer duvidar até que consiga acreditar.


AE.05/03/2009

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Meu preferido no mundo


Amo como o amor ama.
Não sei razão pra amar-te mais que amar-te.
Que queres que te diga mais que te amo,
Se o que quero dizer-te é que te amo?
 
 
Quando te falo, dói-me que respondas.
Ao que te digo e não ao meu amor.
 
 
Ah! não perguntes nada; antes me fala
De tal maneira, que, se eu fora surda,
Te ouvisse todo com o coração.
 
 
Se te vejo não sei quem sou: eu amo.
Se me faltas [...]
... Mas tu fazes, amor, por me faltares
Mesmo estando comigo, pois perguntas —
Quando é amar que deves. Se não amas,
Mostra-te indiferente, ou não me queiras,
Mas tu és como nunca ninguém foi,
Pois procuras o amor pra não amar,
E, se me buscas, é como se eu só fosse
Alguém pra te falar de quem tu amas.
 
 
Quando te vi amei-te já muito antes:
Tornei a achar-te quando te encontrei.
Nasci pra ti antes de haver o mundo.
Não há cousa feliz ou hora alegre
Que eu tenha tido pela vida fora,
Que o não fosse porque te previa,
Porque dormias nela tu futuro.

 
E eu soube-o só depois, quando te vi,
E tive para mim melhor sentido,
E o meu passado foi como uma 'strada
Iluminada pela frente, quando
O carro com lanternas vira a curva
Do caminho e já a noite é toda humana.

 
Quando eu era pequena, sinto que eu
Amava-te já longe, mas de longe...
 
 
Amor, diz qualquer cousa que eu te sinta!

— Compreendo-te tanto que não sinto,
Oh coração exterior ao meu!
Fatalidade, filha do destino
E das leis que há no fundo deste mundo!
Que és tu a mim que eu compreenda ao ponto
De o sentir...?

(Fernando Pessoa)

14/02/2009