quinta-feira, 30 de julho de 2009

Tanto aqui quanto lá...



Tanto aqui quanto lá alguém se lembra ao acordar;
Tão aqui quanto lá alguém pensa antes de dormir;
Tanto aqui quanto lá há lembranças que fazem companhia durante o dia e a todo momento;
Tanto aqui quanto lá o coração dói;
Tanto aqui quanto lá a tristeza invade fazendo com que apenas se sinta o que é permitido;
Tanto aqui quanto lá algumas coisas não se revelam;
Tanto aqui quanto lá é preciso aceitar o que se desconhece;
Tanto aqui quanto lá estão os pensamentos;
Tanto aqui quanto lá alguém está cansado;
Tanto aqui quanto lá falta paciência;
Tanto aqui quanto lá é preciso ter serenidade;
Tanto aqui quanto lá está a presença;
Tanto aqui quanto lá há alguém que chora;
Tanto aqui quanto lá há alguém que sente saudades;
Tanto aqui quanto lá há alguém que precisa ser feliz;
Tanto aqui quanto lá alguém sabe que vai passar;
Tanto aqui quanto lá o que for verdadeiro persistirá.

AE.30/07/2009-RA

Flor, Amizade e Águia



Há dias eu penso no que escrever sobre você, e no que escrever para você.
Quase sempre o que aparece não são pensamentos e sim sentimentos.

Então parei, prestei atenção e resolvi escrever sobre o que eu sinto.


Sinto uma alegria enorme ao saber que alguém está realizando um sonho, especialmente alguém assim como você, minha amiga, que viveu comigo em boa parte dos últimos tempos.

Sinto alguém que está certa da escolha que fez, mas acima de tudo confiante com a decisão tomada.

Sinto a leveza e a felicidade de um início, não de mais um reinício na vida, e sim de algo novo, uma vida nova desde o começo.

Sempre tive para mim que toda relação, incluindo a amizade, está baseada em trocas. E por mais que seja normal ocorrer alguns desacordos que talvez tenham ocorrido, as trocas são ainda maiores, em proporção e em quantidade.
Mostrando assim que não há como exigir da vida amizades perfeitas, e sim ter a certeza de que não há valor maior do que superar os percalços a fim de crescer e amadurecer.

Falo sobre amizade, pois é isso que vai ficar sempre e para sempre, lembra? Não é plágio não.
Me sinto muito feliz de ter você como amiga e partilhar de mais uma etapa de sua vida, da mesma forma que participa da minha. Quero que saiba que seja como e onde for, estarei sempre presente.

Quero lhe dizer também sobre o que eu não sinto – não sinto a partida e não sinto tristeza, mas desde já, eu sinto saudade.

E para você, quero falar também de algo belo e significativo, falar do que expressa e do que preserva.
Vou lhe falar de FLORES.

Certa vez você me disse que eu saberia a que flor associar a você, e depois de escrever tudo isso me vem a mente uma Utricularia - nome estranho e pouco conhecido, que revela uma planta de pequeno porte com hábitos carnívoros, que eu associo à você em determinação e força.

Uma planta pequenina que na época de florescer nos revela todo seu esplendor – suas flores não ficam submersas, elas desabrocham acima da lâmina d’ água, revelando toda beleza e grandiosidade no seu amarelar de luz.

E aqui me lembro de uma frase que você me disse um dia: “Águia não nasceu para ciscar em terreiro”, e hoje vejo em você a águia, que voa cada vez mais alto em busca da realização dos seus sonhos.

Para uma grande pessoa que em todos os momentos: sejam eles bons ou não, decisivos ou descontraídos, sempre se fez presente me ajudando com suas palavras e lições, se tornando a grande amiga que é para mim.

Não quero que nem por um minuto que se sinta triste, sei que a despedida não é fácil, mas sonhos realizados têm um sabor tão recompensante quando os estamos realizando.

Força, Fé e Serenidade.

AE.28/07/2009-AP

domingo, 26 de julho de 2009

Contos



Os dias por aqui estão congelantes. Eu faria de tudo pra poder juntar as malas nesse final de ano e ir.
Voltei a uma fase ruim do relacionamento, infelizmente descobri que está no meu subconsciente uma concepção de que o homem da casa deveria fazer de tudo para a felicidade de sua mulher, como nos contos de princesas. Por mais realista que sou, estou sempre esperando algo dele, e estou sempre me frustrando. No mundo em que vivemos isso não existe, tenho que depender só de mim e mais ninguém.
Sonho com uma vida livre, pois me sinto presa.


Essa semana me aconteceram muitas coisas inclusive pensamentos sobre a forma como levo a minha vida. Analisei tudo muito atentamente e me lembrei de um medo que eu tenho: apenas passar pela vida sem vivê-la, sei que isso parece filosófico com toque depressivo, mas não foi assim que eu me vi, e menos ainda, acho que foi só um momento de reflexão, um balanço.
E pude perceber que mesmo que a minha vida não seja perfeita, ela é resultado das minhas escolhas, valores e por vezes minhas fraquezas.
Sei que é muito mais fácil escolher quando nossas decisões afetam apenas a nós mesmos, porém mesmo quando não somos o único alvo, as decisões precisam ser tomadas, e o que nos levará a decidir ainda aqui, são nossos valores e necessidades, devendo haver algo muito importante que chamamos de ponderação. Os envolvidos devem manifestar o seu ponto de vista e em algumas vezes saber ceder.
Não acho que todas as nossas vontades devem ser satisfeitas, mas também não ter nenhuma delas atendida nos faz mal e infeliz.
Não acho errado vivermos esperando coisas das pessoas que amamos, afinal, um relacionamento deve ser baseado em trocas, pois todos nós, sem exceção temos sonhos, e se estamos com alguém esse sonho deve ser "nosso", porém moldado à necessidade dos dois.
Já passei por muitos períodos de descrença. Hoje me vejo trabalhando mais a aceitação do que a negação.
Nesse mundo existem muitas coisas, boas e más, a diferença está no que permitimos que fique e no que fazemos com o que não fica.
Acredito que exista sim, contos de princesas, não de uma maneira literária, e sim humana. Cada uma de nossas vidas é um conto, a minha, a sua... E somos nós que decidimos o que valerá a pena escrever ou não. Há momentos de clímax, de tensão, de emoção e de decisão...
O problema é que nos nossos contos não dá para apagar, rascunhar ou inventar, temos que ter muito cuidado ao escrever, temos que saber quais serão as pessoas e as peças fundamentais.
Aqui, como nos contos de princesas há um início (ERA UMA VEZ...) e um fim, e todos nós esperamos que no nosso conto haja um FELIZES PARA SEMPRE.

Confio em você e desejo que tenha serenidade para continuar escrevendo o seu.

AE.25/07/2009-SA

terça-feira, 21 de julho de 2009

Substancial



Olho para você e consigo perceber a magnitude e a perfeição dos seus traços.
Sinto em você a complexidade de sua efêmera existência e a importância vital do seu desabrochar.
Tudo em você me revela vida e transformação.
Algo que desabrocha para que um outro se forme, e assim se consiga um ciclo perfeito: Nascer, transformar, dar vida e fenecer.
Tudo isso em um curto espaço de tempo, e nesse único momento se pode ser o que há de melhor em sua capacidade de florear.
Está tudo aqui, basta olhar e saber sentir.
Basta contemplar e deixar-se tomar por tão bela e peculiar expressão do transitório, que se dedica apenas em ser, em transmitir, e em realizar aquilo que emana de suas origens, apenas aquilo que clamam para que seja.
Flores!
Para alguns, apenas partes coloridas de um vegetal, para outros a transmissão maior da perfeição momentânea daquilo que chamamos de vida, onde tantos tentam ter, e percebemos aqui o que está na sublime razão de ser.

AE-20/07/2009-AE

Sentimentos, Flores e Revelações



Estou aqui no meu quarto e me reservo apenas à condição de sentir.
Sentir o que a alma permite e o corpo anseia.
Sentir os movimentos e a respiração causada por conflitos que pulsam em mim.

Sentimentos diferentes que se misturam e me confundem.
Sentimentos incapazes e inertes.

Apenas eles revelam o que há dentro, o que transparece e traz a tona.

Sentimentos que espreitam, esperando a derradeira chance.
Esperando por um único momento de poderem se tornar reais.

Por que tudo tem dois lados?
Por que aqui se encontram emocional e racional?

As flores apenas são, são o que são em sua resignação.
São o que podem ser, são sempre a inspiração.

Inspiração vem de dentro trazendo consigo a vontade.
Vontade de esmiuçar o que me move e o que é vital para mim.

Existem buscas sem respostas e respostas demais para buscas de menos.

Por que tudo se torna variável e confuso?
Por que nem sempre o que parece ser, é o que é?

Por trás de tudo há um outro tudo, sutil e peculiar a cada pessoa, situação e sentimento.

Percebo-me aqui escrevendo coisas desconexas, porém reveladoras.
Embora não transmitam a veracidade das respostas, revelam as incertezas das perguntas.

AE.20/07/2009-AE

Ah, o amor!



O que isso significa?
Um sentimento, uma busca ou um descontento?

Pessoas passam a vida inteira a procurar, a esperar...

Muitas nunca encontraram ou irão encontrar.

Por que há algo tão vital no amor que nos sucumbe a alma?
Por que um sentimento por vezes tão efêmero tem o poder de nos trazer a cura ou de nos trazer a dor?

Algumas vezes parece doença, nos contamina.
E em outras nos revela a salvação e o sentido da vida.

Há em nós a necessidade de ter algo que nem sempre sabemos reconhecer e nem valorizar.
Por vezes os dispostos a nos amar não nos enchem os olhos e em outras, sofremos por não cativar alguém que nos é especial.

Um sentimento tão rico e nobre, que muitas vezes esconde o verdadeiro rótulo, esconde o significado de outras palavras e de outras condutas.

Mas há aquelas pessoas de coração puro e sentimentos nobres, que reconhecem e tem a sorte ou sabedoria de poder viver um amor para toda vida.

AE-20/07/2009-CA

domingo, 12 de julho de 2009

Sonho e realidade


Um dia acordei depois de um sonho que eu tive. Tinha conversado com alguém que me completava, e fiquei ali curtindo aquele sentimento bom e a sensação de ainda estar sonhando.

Quando levantei, senti que pisava em folhas de papel e as peguei para ler. Percebi que era a conversa que eu havia guardado para não me esquecer de palavras tão lindas... Nunca havia sentido algo assim, tão forte e instantaneamente.

Esse sonho se repetiu muitas vezes naquele mês e o sentimento aumentava, parecia que não era coisa nova e sim um reencontro, e o que já era forte continuou a crescer.

O medo me fazia companhia, mas ao mesmo tempo me era passada tanta confiança que já não havia mais forças em mim capazes de me fazer resistir ao que eu sentia.
.

Haviam sonhos que pareciam realizáveis e que eu queria muito que assim fosse.

Com o passar do tempo as coisas se tornaram inconstantes, havia dores, compromissos e pessoas... E o sentimento inicial não diminuía, apenas sofria.

Movida pelo inicio tentei muitas vezes, e em algumas vezes encontrei silêncios dolorosos e profundos, que até hoje doem em minha alma.

Houve um período de revelação e encontro, a revelação foi difícil e o encontro surreal. Isso me confundia ainda mais, pois algumas situações e palavras não condiziam com a realidade.

Mais um período de espera se fez necessário e aqui a partida...

Sofri até que eu fosse capaz de voltar a respirar sem que houvesse dor.
.
E por julgar estar bem num momento de saudade procurei e encontrei o que eu não havia perdido.
.
Vi coisas que eu não queria e nem esperava ver que fizeram com que eu sofresse ainda mais, uma dor tão aguda que tornou-me incapaz de compartilhar com quem quer que fosse, por não acreditar naquilo que meus olhos viam. Deixei um bilhete e parti.

Nessa época havia lembranças de sonhos e pesadelos até que eu me acostumasse e pudesse aceitar o que eu já sabia, e que só agora eu pude ver.

Houve novamente um aparecimento, talvez uma tentativa, mas meu coração já calejado lembrou dos sonhos despedaçados e por mais que eu quisesse não conseguia acreditar, e então novamente parti.
 
Ainda dessa vez não foi e nem tem sido fácil. Cada reaproximação traz consigo as lembranças e os sentimentos cativados.
.
É como se abríssemos o armário, e na tentativa de reorganizar as coisas jogássemos tudo no chão para enfim reestruturar. Mas talvez essa não seja a melhor maneira para fazer as coisas, talvez, esta seja a forma mais difícil.

Então peguei todas as minhas coisas que estavam pelo chão e guardei rapidamente com medo de sofrer de novo. Mas ainda não tem sido eficiente, pois as coisas continuam desorganizadas dentro do meu armário. E doído saber que nada pode ser feito até que eu seja capaz de organizá-lo novamente.

E então percebi que não era um sonho, apenas uma realidade comum de tantos enganos que a vida pode nos oferecer.



AE.12/07/2009-RA

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Mágico

 
Mágico é o que torna o dia mais lindo ao contemplar uma flor.
E perceber em coisas simples a pureza e a força.

Mágico é o que faz o coração se aquecer ao ouvir aquela voz.
É quando um dos nossos sentidos nos revela quem amamos.

Mágico é o que faz com que vejamos as coisas de uma maneira mais leve.
É saber que há um sutil mistério em tudo que existe.

Mágico é querer ser melhor a cada dia.
É aproveitar o que a vida te dá.

Mágico é o que transmite o sorriso de uma criança.
É ser feliz por coisas simples.

Mágico é a paz de ter um amigo.
É a leveza de algo compartilhado.

Mágico é sorrir entre lágrimas.
E sentirmos a felicidade mexer com a alma.

Mágico é ser sereno na dor.
E desejar o bem próprio e o do próximo.

Mágico é sentir o vento mesmo sem vê-lo.
É continuar a acreditar quando tudo parece perdido.

Mágico é rir até perder o fôlego.
E sentir o que a alegria é capaz de fazer conosco.

Mágico é se sentir vivo.
E poder contemplar tudo que está ao nosso redor.

Mágico é poder saber que somos tudo o que lutamos e nos é permitido ser.


Mágico é ter quem temos e saber que até os que partiram de certa forma continuam aqui, em nossos corações.

Mágico é poder escrever para aliviar a alma.

AE.03/07/09-AE